NOVO! Confira o último episódio do podcast Contabilidade sem neura Ouvir agora
Dicas de Gestão

Como a LGPD vai otimizar a experiência do cliente?

5 Mins de leitura

A entrada em vigor da lei de proteção de dados (LGPD) foi recentemente adiada para 2021, mas por que esperar para aderir a ela? A verdade é que essa transição de ferramentas e processos não é apenas uma questão legal. Migrar para sistemas digitais mais seguros pode criar oportunidades de mudar a imagem da sua empresa perante o público.

Se é isso que você espera ganhar em retorno dos investimentos em segurança da informação, vamos discutir sobre os impactos da lei na sua relação com o cliente e como se adequar. Acompanhe!

Quais são os impactos da LGPD na experiência do cliente?

A LGPD foi elaborada em 2018 com uma forte inspiração na regulamentação de uso de dados europeia, a GDPR. O seu foco principal está na garantia de proteção de dados dos clientes, que até então vinham sendo armazenados e coletados sem muita descrição por empresas do mundo inteiro.

A lei busca determinar e nivelar as bases de segurança da informação para empresas que desejam usar dados como forma de operação e gestão de seus negócios. Porém, existe uma consequência muito positiva nessa preocupação que não é apenas legal, mas mercadológica.

Adaptar o sistema da empresa o quanto antes pode influenciar na experiência do seu cliente e na forma como ele se relaciona com a sua marca. Quer entender melhor como isso acontece? Vamos apontar alguns desses aspectos principais, em que o foco na segurança se torna uma imagem positiva do seu negócio perante o público.

Transparência

A primeira questão a ser analisada na LGPD é a obrigação para que empresas se tornem mais transparentes com o seu público. Segundo a regulamentação, negócios terão que disponibilizar a qualquer momento informações completas sobre quais dados do cliente estão armazenados no banco e com que finalidade são utilizados.

Tratando da experiência, isso elimina qualquer hesitação que o cliente possa ter quando for dividir informações com você. Quantas vezes nós, enquanto usuários, já não deixamos de utilizar um aplicativo ou site porque não havia como saber para onde podiam ir nossos dados depois de compartilhados? A LGPD diminui consideravelmente esse tipo de barreira de entrada.

Consentimento

Outro ponto que aproxima muito clientes e empresas está na necessidade de consentimento ao coletar dados e mecanismos simples de exclusão. A grande diferença aqui é que o público passa a ter controle real sobre suas informações que estão no sistema das marcas que consome.

Assim, as pessoas podem autorregular essa relação, compartilhando apenas o que se sentem confortáveis na hora de usar um serviço ou produto — algo sobretudo importante em relações digitais. Essa liberdade permite que elas utilizem mais das soluções que contratam ou compram. Logo, passam mais tempo em contato com a sua marca em um contexto mais positivo.

Confiança

Transparência e consentimento são a base de uma relação de confiança. Isso serve para a vida e também para nossas relações com empresas e produtos que consumimos. Confiança no mercado é uma moeda valiosa. Ter um sistema capaz de utilizar com eficiência dados dos clientes, com a tranquilidade de que estão protegidos, reflete na sua entrega e na percepção dos seus consumidores.

Fidelização

Todos esses pontos levam a uma sensação de segurança, comodidade e familiaridade: tudo o que um cliente precisa para solidificar sua relação com uma empresa. Quanto menos obstáculos entre público e marca, mais chances dele se converter, permanecer e divulgar. É uma grande oportunidade de tornar uma determinação legal em uma vantagem competitiva.

Como se adequar à lei?

Como citamos, a pandemia da COVID-19 fez com que o governo brasileiro estendesse o prazo de entrada em vigor da LGPD. A data estipulada de agosto de 2020 foi passada para maio de 2021. Mas até pelas questões mercadológicas sua empresa vai querer se adaptar o quanto antes. É uma forma de fazer um processo tranquilo e confiável e garantir os impactos positivos.

Então, vamos citar algumas práticas de planejamento e execução que serão fundamentais no sucesso de sua migração e adequação à lei. Confira!

Faça um diagnóstico da situação atual

O primeiro passo ao se adequar à lei é entender o quão distante seu sistema está do considerado ideal: infraestrutura, software, servidores, serviços, processos. Tudo isso deve ser levantado já com os parâmetros da LGPD, como benchmark. Assim, você sabe o que atacar e quais são as maiores prioridades para um plano bem elaborado de tratamento de dados.

Crie ou revise políticas de dados

Uma nova política de dados vai dar transparência e clareza ao seu público — o que ajuda muito na conversão e manutenção desses clientes. Porém, não basta ter essas políticas, é preciso que todos os colaboradores da empresa sigam à risca. Treinamentos e comunicação são fundamentais, além de um sistema que reforce essas determinações automaticamente.

Invista em tecnologia e integração

Sim, a tecnologia faz muita diferença no sucesso da LGPD. Contar com um ERP integrado é vital nessa busca por visão de segurança e eficiência no uso de dados. Se essa solução for SaaS, você ainda ganha o suporte de uma empresa especializada para garantir ainda mais a confiabilidade do seu sistema — uma tranquilidade a vocês e ao público.

Implemente um programa de proteção

Um programa de proteção de dados pode ser um escritório dedicado, um funcionário exclusivo, uma metodologia ou um serviço. O importante não é a solução, mas como ela é utilizada ao monitorar o uso de dados na empresa e notificar qualquer evento que possa comprometê-los.

Dentro disso, um plano de ação a fim de impedir ou mitigar ataques também pode ser uma vantagem de mercado. Afinal, demonstra que sua empresa está preparada para lidar com qualquer situação, com objetividade e o mínimo de prejuízos.

Por que isso é importante para a empresa?

Quando o assunto é Lei Geral de Proteção de Dados, nenhuma empresa precisará ser convencida de sua importância. A lei entrará em vigor e é necessário se adequar de qualquer forma. Contudo, neste momento de transição, o que percebemos é que quem sai na frente tem vantagens: não só de tempo para se preparar, como de posicionamento na corrida pela confiança de um público cada vez mais informado e exigente.

Portanto, a LGPD é importante agora para alcançar essa nova fase, de negócios digitais, confiáveis e próximos de seu público. Leia mais sobre o assunto, estude a LGPD diretamente e comece os passos de migração. O quanto antes, melhor!

E aí, gostou do conteúdo? Quer se informar mais sobre gestão integrada e tecnologia nas empresas? Então assine a nossa newsletter e receba as novidades em seu e-mail.

Soluções em cloud para acelerar a produtividade e eficiência da equipePowered by Rock Convert
193 Artigos

Sobre o autor
Diretor da Vertical de Gestão da Alterdata.
Artigos
Artigos relacionados
Dicas de Gestão

Como administrar um pequeno negócio começando do zero?

5 Mins de leitura
Que tal aprender como administrar um pequeno negócio começando do zero? Venha conosco e confira algumas dicas interessantes. Vamos lá?
Dicas de Gestão

Como funciona o MEI e seus benefícios no Brasil?

5 Mins de leitura
Você é um trabalhador autônomo e quer se formalizar? Então, descubra agora o que é e como funciona o MEI!
Dicas de Gestão

Descubra como abrir uma pequena empresa em 9 passos

5 Mins de leitura
Quer começar um novo negócio, mas está confuso sobre como começar? Confira agora como abrir uma pequena empresa em 9 passos!

2 comentarios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.