Pedidos em restaurantes: 6 dicas para otimizar

A experiência que os clientes têm ao fazer pedidos em restaurantes é decisiva para o sucesso (ou o fracasso) dos estabelecimentos. E não restam dúvidas: a gestão de pedidos influencia diretamente na fidelização dos consumidores, gerando grandes consequências para o faturamento dos restaurantes.

Quando há erros nos pedidos ou demora nas entregas, os clientes tendem a ficar impacientes e insatisfeitos, prejudicando a imagem do negócio. Além disso, uma gestão de pedidos inconsistente traz desorganização, prejudicando o trabalho não só dos garçons, mas também da equipe de cozinha.

Para driblar os problemas e conquistar a preferência do mercado, preparamos este post com 6 das principais dicas de otimização de pedidos em restaurantes. Confira e coloque em prática o quanto antes!

1. Fique atento às comandas

Se os garçons do seu restaurante ainda anotam os pedidos em bloquinhos ou post-its, fique atento: é preciso mudar urgentemente. No mínimo, os restaurantes devem ter comandas de papel impressas e devidamente organizadas, tanto para a cozinha como para o bar.

Sem um padrão, você fica sujeito a erros por conta da caligrafia do atendente, confundindo até os números das mesas. Nesse contexto, é muito comum ter que lidar com reclamações em massa de clientes dizendo que não receberam o que foi pedido. A partir daí, a cozinha se embola ao ter que preparar outros pratos, gerando insatisfação e prejuízos.

Além desses pontos, a presença das comandas é fundamental para o faturamento e o fechamento do caixa do estabelecimento, tarefas que jamais deveriam ser sofridas. O detalhe é que tudo se complica quando o gestor não tem as informações corretas em mãos. Sem organização, você corre o risco de passar valores equivocados aos consumidores, podendo até perder clientes fiéis por conta de erros bobos.

Para começar, que tal usar uma comanda simples e padronizada? Depois que esse padrão estiver estabelecido, você já pode pensar em implementar um sistema de comanda eletrônica que registre e facilite todo o processo, desde o atendimento até a entrega dos pratos.

2. Organize o restaurante como um todo

Já deu para perceber que organização é ponto-chave para essa transformação, não é verdade? É isso mesmo: para que os pedidos sejam devidamente controlados, é preciso que o estabelecimento todo esteja em ordem.

Tudo começa com o acondicionamento dos ingredientes e utensílios dentro da cozinha. Uma melhor organização acelera a preparação dos pratos e garante a limpeza, melhorando a experiência global dos clientes. Da mesma maneira, um cardápio claro e objetivo facilita a escolha do consumidor, que passa a receber sua comida com mais agilidade.

Outro ponto crucial diz respeito ao estoque. Quando ele não é bem gerenciado, você corre o risco de atrasar os pedidos, servir produtos fora da validade e jogar fora diversos alimentos, tendo que arcar com prejuízos financeiros.

3. Invista no preparo do que mais sai

Na primeira dica, falamos sobre a importância das comandas para o restaurante, está lembrado? Se você fizer tudo certinho, saberá exatamente quais pratos são os mais vendidos, podendo investir no seu pré-preparo. É possível saber inclusive se um determinado item do cardápio é mais pedido em certo dia da semana, por exemplo.

A partir daí, os profissionais da cozinha poderão aproveitar melhor o tempo e os recursos disponíveis, com o restaurante podendo agilizar os pedidos desses produtos mais procurados.

Outro ponto importante é que, ao conhecer as preferências dos clientes, você também poderá ajustar suas compras de produtos. Isso ajuda a servir ingredientes sempre fresquinhos, o que também faz parte de uma boa gestão de pedidos.

4. Treine a equipe de garçons

Parece óbvio dizer que um atendente bem capacitado faz toda a diferença na gestão dos pedidos, certo? No entanto, acredite: muitos e muitos restaurantes não separam um tempo para promover treinamentos com a equipe.

Um bom garçom deve ser especialista no menu do restaurante. É imprescindível que ele conheça cada prato nos mínimos detalhes, estando por dentro dos ingredientes usados e da forma de preparo. Assim, o profissional pode auxiliar o consumidor nas escolhas, entendendo suas necessidades e seus desejos para oferecer boas recomendações.

Além disso, os atendentes deve ser capazes de informar quais alternativas do menu podem ser consumidas por clientes com alergias e intolerâncias, por exemplo. Outro ponto fundamental é que os garçons devem ficar atentos às demoras da cozinha e compreender certas urgências, evitando que o público espere demais pela comida.

Como você pode ver, esse profissional vai muito além de um mero tirador de pedidos. No fim das contas, é ele quem faz a gestão da experiência dos clientes no restaurante. E um bom treinamento é capaz de garantir que essa experiência seja impecável!

5. Estabeleça processos

Basicamente, um processo é um conjunto de tarefas padronizadas que compõem uma determinada atividade do seu restaurante. Imagine se, a cada pedido feito, a cozinha começasse a cortar e preparar ingredientes de forma aleatória. Ou então se, a cada dia, os produtos fossem guardados em um local diferente. Tudo viraria uma bagunça, não é mesmo?

É por isso que existem processos definidos de preparação, de armazenamento, de estoque, de compras e assim por diante. Quanto mais organização houver em cada pequena área do negócio, melhor será a gestão dos pedidos. Para isso, conte com a ajuda e as sugestões dos próprios colaboradores!

6. Conte com a ajuda da tecnologia

A tecnologia pode ser uma enorme aliada para que seus clientes tenham experiências únicas no seu restaurante. Aliás, uma das atividades que mais ganha com o uso de recursos tecnológicos é justamente a gestão de pedidos, gerando consumidores cada vez mais satisfeitos.

Quando você tem uma plataforma digital à disposição para organizar os atendimentos, tudo se torna mais simples. O risco de alguém confundir informações das comandas deixa de existir, a comunicação entre garçons e cozinha se torna muito mais rápida e prática… Consequentemente, o público recebe a comida com mais agilidade.

Além disso, na hora de pagar a conta, bastam alguns poucos segundos para imprimir a fatura livre de erros! Isso transmite mais confiança ao consumidor, até porque o troco também pode ser calculado pelo sistema.

E se você é daqueles empreendedores que não gosta de soluções genéricas, não se preocupe, porque existem atualmente softwares focados exatamente na gestão de restaurantes!

Esses sistemas interligam os pedidos e o fechamento do caixa, possibilitam trabalhar com uma equipe mais enxuta e reduzem o tempo de espera por parte dos clientes. Além disso, o gestor consegue reunir dados importantes sobre o negócio, como o controle de estoque, o cadastro de fornecedores e o fluxo de caixa.

Por fim, é importante considerar que a solução de tecnologia escolhida deve levar em conta todas as dicas citadas anteriormente. Afinal de contas, só uma gestão organizada e integrada é capaz de trazer resultados concretos para um negócio, especialmente em se tratando de um restaurante.

Se este conteúdo foi útil para você, aproveite para conhecer o software para restaurantes Alterdata Spice!

Related Posts

Inteligência de dados no departamento pessoal: quais...

Previsão orçamentária: qual a sua importância e o...

Alterada resolução que dispõe sobre os prazos para...

Deixe uma resposta