Entenda como fazer um demonstrativo de resultados financeiros

Sua empresa enfrenta dificuldades na hora de analisar e comparar dados financeiros? Pois saiba que vocês não estão sofrendo sozinhos com esse problema. É isso mesmo: ainda são muitos os gestores que perdem oportunidades de crescimento e economia por não conseguirem avaliar com precisão sua própria saúde financeira. A solução para esse problema é sempre apostar em um bom demonstrativo de resultados.

Neste post, vamos responder todas as suas dúvidas sobre o assunto. Quer saber o que é um demonstrativo de resultados financeiros, por que ele é tão importante e, claro, como fazer o seu? Então basta ficar de olho nos próximos tópicos!

O que é um demonstrativo de resultados?

O Demonstrativo de Resultados do Exercício (DRE) nada mais é que um relatório contábil que reúne as despesas e receitas da empresa em determinado período de tempo. Além de ser um documento obrigatório para questões legais e fiscais, o DRE é usado para diagnosticar a saúde financeira do negócio, avaliando sua movimentação do ponto de vista econômico dentro da faixa de tempo delimitada.

O objetivo principal desse tipo de relatório é comparar e segmentar todas as informações contábeis da empresa para, a partir daí, chegar a um resultado de lucro (ou prejuízo) líquido preciso e confiável. É a análise desses números que vai gerar os insights necessários à diretoria para encontrar oportunidades de otimização de gastos, economia de recursos e possibilidade de investimentos para o crescimento do negócio.

Como analisar um demonstrativo de resultados?

Basicamente, a análise do demonstrativo de resultados é comparativa. A chave para extrair bons dados desse relatório é encontrar um tempo ideal de exercício. Há, assim, um efeito significativo vindo das estratégias e ações postas em prática. Pode-se avaliar um mês, um trimestre, um ano ou até fazer uma combinação de DREs que reflitam resultados a curto, médio e longo prazos.

O demonstrativo de resultados pode ser avaliado primariamente de 2 formas que se complementam: análise horizontal e análise vertical. Continue acompanhando para entender como essas análises funcionam!

Análise horizontal

Nesse tipo de análise, o demonstrativo de resultados é comparado com períodos de exercício anteriores para traçar uma linha de evolução. Assim, despesas, receitas, lucro obtido e gastos recorrentes são acompanhados ao longo do tempo, demonstrando onde os resultados estão melhores e onde é preciso intervir para melhorar a saúde financeira da empresa.

Análise vertical

Nesse tipo de análise, por outro lado, a diretoria compara números em grupos dentro do próprio relatório vigente. No caso, os dados mais relevantes são despesas segmentadas e como elas impactam na performance financeira total.

Ao combinar essas 2 análises, o negócio passa a ter em mãos informações importantíssimas para toda a diretoria, desde gestores de operações a gestores de finanças. É possível comparar gastos e ganhos naquele período específico, vendo como eles têm contribuído para o crescimento ou a queda de arrecadação da empresa.

Como exatamente fazer um DRE?

Antes de respondermos a essa dúvida na prática, precisamos ressaltar o papel de um ERP robusto e bem implementado dentro da empresa. Afinal de contas, os sistemas de gestão trazem não só automação para a coleta de dados como também a tecnologia necessária para fazer a devida análise dessas informações.

Isso é especialmente relevante uma vez que um bom demonstrativo de resultados depende de confiabilidade e padronização em seus relatórios financeiros. Pense bem: qualquer erro no manuseio desses dados pode transmitir uma falsa sensação de saúde no caixa da empresa, levando seus diretores a traçarem estratégias ineficazes. Contando com um ERP ativo, basta organizar as informações coletadas em um relatório para ter seu DRE!

A verdade é que não existe uma fórmula exata para esse documento. Mas por mais que o cálculo precise se adaptar ao tamanho e à natureza do negócio, uma estrutura de demonstrativo geralmente lista os seguintes valores:

  • receita bruta das vendas;
  • deduções das vendas, como impostos e serviços prestados;
  • receita líquida das vendas;
  • custos de produtos, mercadorias ou serviços vendidos;
  • resultado bruto de faturamento;
  • despesas de venda, como salários e comissões;
  • despesas administrativas, como aluguéis, contas de luz, água e assim por diante;
  • despesas que ainda não foram contabilizadas nas outras categorias;
  • receitas que ainda não foram contabilizadas nas outras categorias;
  • despesas financeiras, como IOF e juros;
  • receitas financeiras, como juros recebidos;
  • despesas com Imposto de Renda e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido;
  • resultado do lucro líquido no exercício determinado.

Como você pode ver, o relatório discrimina toda a operação financeira da empresa em determinado tempo, calculando, no final, o lucro líquido baseado na adição e na subtração de cada fator determinante. É com esse DRE completo que o negócio está pronto para traçar novos rumos.

Qual a importância do demonstrativo financeiro?

O controle financeiro é como o coração de qualquer empresa. Exatamente por isso, não dá para tratar o assunto sem a precisão de dados e a atenção aos processos de coleta e análise. Para você entender melhor, listamos aqui alguns benefícios que um bom demonstrativo de resultados pode trazer para sua reunião de diretoria. Confira!

Precisão

A transformação digital no mercado tem exigido das empresas cada vez mais velocidade e precisão no ajuste de suas estratégias, seja para atender a uma nova demanda, conquistar um novo nicho ou superar um produto concorrente.

Uma análise precisa da evolução do negócio permite encontrar nos números novas oportunidades para investimentos, possibilidades que tragam ainda mais retorno no futuro. Sem essa visão completa, a diretoria caminha praticamente de olhos vendados — ou, ainda pior, olhando para o lado errado.

Economia

Especialmente a análise vertical de gastos, quando comparada ao longo de uma análise horizontal, é uma fonte certa de economia. A visão geral das despesas em seus grupos e seu impacto no total das finanças simplifica a identificação de desperdícios, permitindo uma correção ágil.

Otimização

Além de possibilitar corte de custos, o relatório também gera insights sobre a própria operação da empresa. Se o diretor nota que o negócio está gastando muito na conta de telefone, por exemplo, pode ser o caso de investir em VoIP ou outros tipos de comunicação por dados, soluções que apresentem um melhor custo-benefício.

Estamos falando aqui de processos que podem ser reformulados para não só economizar, mas também para agilizar o desenvolvimento de produtos e serviços, aumentando a qualidade da entrega final. E o melhor: isso tudo sem precisar abrir os cofres!

Como você pôde ver, o demonstrativo de resultados financeiros não é apenas um documento necessário, mas uma ferramenta poderosa para tornar qualquer negócio mais eficiente, otimizado e produtivo. Não tem segredo: com um bom ERP, uma boa estrutura e muita dedicação, é possível usar o DRE como primeiro passo para uma nova fase da sua empresa!

Por fim, que tal também usar seu controle financeiro para calcular o valor do seu negócio? Confira este post para aprender como fazer esse cálculo em apenas 6 passos!

Related Posts

Como otimizar a força de vendas da sua empresa?...

#FeitadeGente – Wallace de Oliveira

Como preparar sua imobiliária para as mudanças...

Deixe uma resposta