Como calcular o valor da sua empresa em 6 passos

 

Não é segredo que empreendedores e gestores devem conhecer suas empresas como ninguém. É simplesmente essencial se manter atualizado sobre a cultura, os processos e as políticas em ação, além de ter uma boa visão do mercado e da própria equipe.

Mas tem mais: você já parou para pensar sobre quanto seu negócio vale? E, ao contrário do que muita gente pode pensar, responder a essa pergunta não é importante apenas na hora de vender a organização, mas também no processo de busca por investimentos e na implementação de outras diversas iniciativas empresariais. Você tem ideia de como fazer essa conta?

No post de hoje, vamos falar sobre como calcular o valor de uma empresa por meio do valuation, além de dar dicas preciosas para aumentar esse número de forma consistente. Confira!

1. Entenda o que é valuation

Valuation nada mais é que usar números reais para estimar o valor de uma empresa — ainda que o aspecto subjetivo não seja completamente descartado. Assim, é possível visualizar a posição de determinada organização em seu mercado, bem como avaliar sua capacidade de crescimento e até fazer uma estimativa do retorno de determinado investimento.

No entanto, o valuation não é apenas uma precificação para venda. Ele também é importante para que os gestores conheçam o quadro geral das finanças do negócio, além de ser uma valiosa ferramenta para a divisão societária — seja para a entrada ou a saída de novos sócios. Por fim, o valuation pode ser usado por potenciais investidores que, claro, precisam conhecer muito bem o negócio.

2. Estime o fluxo de caixa

Agora que você já sabe o que é e para que serve o valuation, pode passar para o fluxo de caixa. Para calcular o valor de uma empresa e conseguir fazer projeções de médio prazo, é preciso se debruçar sobre o histórico de entradas e saídas, bem como verificar padrões e curvas de crescimento. Só assim conseguirá determinar o fluxo aproximado do próximo período.

3. Defina a taxa de desconto

Mas atenção: o fluxo de caixa não é suficiente para definir o valor de uma empresa, uma vez que precisamos usar uma taxa de descontos. Os investidores precisam levar em conta os riscos de apostar no negócio, seja comparando com a rentabilidade de outras organizações ou mesmo com investimentos mais tradicionais, como títulos públicos ou renda fixa.

O grande problema da taxa de desconto é seu grau de subjetividade. Afinal, são diversos os possíveis riscos para determinado investimento, sempre de acordo com o contexto de mercado. Startups, por exemplo, são empresas que podem crescer de uma forma incrível, mas que levam consigo riscos relativamente altos. Justamente por isso, a taxa de desconto para esse tipo de negócio pode ser considerável em relação a organizações mais tradicionais.

4. Inclua ativos e passivos na conta

Quais são os bens da empresa? Imóveis próprios, equipamentos comprados, produtos em estoque e o próprio capital em caixa são alguns bons exemplos. No entanto, vale lembrar que os ativos compõem o valor patrimonial do negócio, o que nem sempre corresponde a seu valor real.

Afinal de contas, ainda é preciso calcular os passivos, como dívidas em aberto, pagamentos de fornecedores e compromissos fiscais. Além do mais, também é preciso considerar os passos anteriores e colocar o fluxo de caixa descontado para ter um valuation completo.

5. Atualize os valores

Por fim, não se esqueça de usar valores presentes! Para isso, é preciso fazer correções em sua projeção, levando em conta inclusive a inflação. Também é importante calcular o nível de apreciação ou depreciação de alguns ativos — no caso de uma frota, por exemplo, um caminhão comprado há 3 anos por 150 mil reais pode ser avaliado em 120 mil em valores correntes.

Basicamente, a ideia da atualização é facilitar a análise dos dados e ter um quadro confiável do valor total da empresa, seja para apresentar a investidores, acionistas ou mesmo para os sócios.

6. Aumente o valor da empresa

Até aqui tudo ótimo: você já sabe como calcular o valor de uma empresa! Mas como melhorar esse número de forma consistente? Aí não adianta apelar para cálculos criativos. É preciso melhorar a gestão do negócio e suas perspectivas de mercado. Para chegar lá, siga as dicas que preparamos!

Diversifique sua carteira de clientes

Empresas que dependem muito de poucos clientes são mais arriscadas para investidores. E a lógica é simples: se você tem um único comprador que representa 50% de suas entradas, caso ele vá embora, a empresa ficará em apuros, certo? O ideal, assim, é que o negócio tenha uma carteira de clientes diversificada, com cada comprador não representando mais que 5% do seu faturamento — esse teto pode variar de nicho para nicho de mercado.

Ajuste as perspectivas de futuro

O valuation não serve apenas para entender o valor presente da empresa, mas também sua possibilidade de crescer no futuro. Por isso, procure entender o contexto de mercado em médio prazo. Você tem planos estratégicos para atrair mais clientes? Existe a possibilidade de aumentar gastos com fornecedores ou matérias-primas? A legislação que afeta sua área de atuação pode ser alterada nos próximos anos? Isso trará efeitos positivos ou negativos?

Invista em gestão de excelência

Vale lembrar que a confiança dos investidores passa, sobretudo, pela confiança na gestão empresarial. Negócios que têm processos padronizados, usam indicadores de performance para controlar a produtividade, apostam na tecnologia para melhorar resultados e se preocupam com o compliance têm muito mais chances de sucesso. A partir disso, podemos chegar a uma fórmula simples: empresas bem geridas valem mais.

Cuide da sua reputação

Está lembrado de quando falamos que ainda existe um aspecto subjetivo no valuation? Pois grande parte dele tem a ver com a reputação da empresa. Marcas fortes, já conhecidas e respeitadas pelo público, agregam valor ao negócio de forma decisiva. Pensando nisso, invista em marketing positivo, não descuide do compliance e tenha uma atuação diferenciada junto à sociedade.

Sua empresa pode, por exemplo, se tornar referência em uso de energia renovável e, assim, conjugar cuidado ambiental com a melhoria da imagem empresarial. Da mesma forma, empresas que apostam em inovação também tendem a atrair a atenção de investidores.

Tudo bem que agora você já sabe como calcular o valor de uma empresa e entende que a boa gestão faz total diferença no valuation, mas nada de parar por aqui! Continue se informando sobre boas práticas corporativas ao assinar a nossa newsletter! É fácil, rápido, gratuito e mais que útil!

 

Related Posts

#FeitadeGente – Thayann Cardoso

Inteligência Fiscal

Isenção e Redução do ICMS no Paraná

Inteligência Fiscal

Receita Federal disponibiliza o PER/DCOMP Web

Deixe uma resposta