Demonstrações contábeis ou financeiras: entenda como funciona

Também conhecidas como demonstrações financeiras, as demonstrações contábeis configuram um conjunto de técnicas que oferece panorama e análise geral da situação financeira de uma empresa em determinado período.

Assim, a situação financeira corporativa pode ser conferida a partir da análise de elementos da contabilidade, tais como o Balanço Patrimonial, a Demonstração de Resultado do Exercício e a Demonstração dos Fluxos de Caixa, entre outros.

Tais elementos representam uma importante ferramenta de auxílio à tomada de decisões por parte dos empreendedores, independentemente da atividade que exercem ou do tamanho do empreendimento.

Quer saber mais sobre eles e sobre sua importância para a contabilidade empresarial? Continue lendo e entenda como esses processos funcionam!

Quais são os objetivos das demonstrações contábeis?

As demonstrações contábeis têm como objetivo principal mostrar para o usuário qual é a situação patrimonial da sua empresa. Elas garantem uma melhor visualização da saúde financeira da organização, permitindo assim melhores condições para os gestores saberem se o momento é ou não adequado para dar sequência aos investimentos ou cortar gastos.

Quais são as 6 demonstrações contábeis existentes?

1. Balanço Patrimonial

Esse é o relatório contábil mais conhecido e também o mais simples. De acordo com a Lei 6.404, de dezembro de 1976, essa demonstração deve ser constituída pelo passivo, ativo e patrimônio líquido da pessoa jurídica. Por meio dela, é possível avaliar todo o conjunto de bens, direitos (os ativos) e as obrigações a pagar (os passivos) de uma empresa.

Funciona da seguinte forma: os ativos representam todo o conjunto de investimentos do negócio, enquanto os passivos e o patrimônio líquido representam as fontes e as origens dos recursos. A estrutura do Balanço Patrimonial se baseia na equação: ativos – passivos = patrimônio líquido.

O patrimônio líquido surge, portanto, como a diferença entre ativos e passivos, representando o saldo da organização. Com ele, é possível obter informações mais precisas sobre o que foi investido, o conjunto de aplicações realizadas em determinado período, quem efetivamente fez os financiamentos das aplicações, qual o perfil das dívidas, entre outros.

Entre os benefícios de realizar o Balanço Patrimonial está a correta análise sobre a situação econômica da empresa, o que pode gerar análises comparativas com seus concorrentes. Por meio de índices de mercado, é possível saber se um negócio tem pouco ou muito dinheiro em caixa comparado a outros do mesmo setor.

Entenda: com esses dados, é possível tomar decisões de gestão mais precisas, sejam relacionadas a investimentos em inovação, logística e criação de novos produtos, o que ajuda na manutenção da eficiência e da competitividade da empresa.

2. Demonstração de Resultado do Exercício

Assim como o Balanço Patrimonial, as Demonstrações de Resultado do Exercício (DREs) mostram, de maneira resumida, as informações referentes aos fatos contábeis da empresa. Nesse caso, porém, o foco está nos créditos e débitos recebidos pela Apuração do Resultado do Exercício (ARE).

Nessa apuração, o resultado obtido é relacionado ao conjunto de operações realizadas em determinado período (geralmente, um ano) e apresentado verticalmente, de forma sucinta. Entre as informações que devem ser apresentadas pelas empresas nessa demonstração estão:

  • receita bruta de serviços e vendas, além de suas deduções, abatimentos e impostos;
  • receita líquida de serviços e vendas, custo base e lucro bruto;
  • despesas com vendas e despesas financeiras, com dedução de receitas, despesas gerais e de administração, além de possíveis despesas de operação;
  • lucro, prejuízo, receitas e despesas em diversas operações;
  • resultado do período anterior ao Imposto de Renda (IR) e o aprovisionamento para o tributo;
  • participações em debêntures, folha salarial de empregados e partes beneficiárias, instrumentos financeiros, instituições ou fundos de assistência e previdência de colaboradores;
  • lucro ou prejuízo do período, além de seu total no capital social.

3. Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados

A Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados (DLPA) concentra sua atenção na conta de lucros do patrimônio líquido da empresa. Por meio dessa demonstração, é possível ter uma ideia precisa do que aconteceu com os lucros ou com os prejuízos ao longo do período analisado.

Dessa maneira, é possível saber quais ações e indicadores mais influenciaram na mudança do patrimônio da empresa, conferindo dados para novos insights, ações e investimentos em diversas áreas, como a avaliação da folha salarial de colaboradores, ações para conter o desperdício em produção e até para reavaliar o contrato de fornecedores.

A entrega dessa demonstração só é obrigatória para empresas com caráter de sociedade limitada — as famosas Ltdas. Organizações de outros moldes só precisam que esses dados estejam na Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL). O que não pode faltar nesse laudo é:

  • prejuízos ou lucros acumulados no fim e no começo do ano contábil;
  • declaração dos lucros e dividendos do período;
  • ajustes realizados por mudanças contábeis ou correções de períodos passados.

4. Demonstração de Fluxo de Caixa

A Demonstração de Fluxo de Caixa (DFC) indica quais foram as entradas e as saídas de dinheiro do caixa da empresa durante o período, bem como o resultado desse fluxo. Isso permite avaliar os principais fatores de gastos e lucros de uma empresa, possibilitando a execução de ações variadas para aumentar a eficiência e o retorno dos investimentos realizados.

Existem 2 métodos principais de apresentar essas demonstrações:

  1. indireto: nele, os recursos das operações realizadas são obtidos com o lucro líquido, após o desconto de vários fatores, como amortização e depreciação;
  2. direto: nesse método são incluídos os valores brutos de recebimentos e pagamentos operacionais.

5. Demonstração do Valor Adicionado

A Demonstração do Valor Adicionado (DVA) é o informe contábil que revela os valores que correspondem à formação da riqueza da empresa em determinado período, além de sua respectiva distribuição. Essas demonstrações contábeis são obrigatórias para as chamadas empresa de capital aberto.

Seu principal objetivo é mostrar como o crescimento e o cálculo desse capital e do patrimônio da organização é relacionado aos principais promotores do seu crescimento, como colaboradores, proprietários e investidores, em dado período.

Esse relatório é crucial para as organizações que desejam captar novos investidores e financiadores para ações de crescimento da empresa, pois confere mais credibilidade e transparência no mercado, o que aumenta seu perfil e notas de investimento no mercado financeiro e na Bolsa de Valores.

6. Notas explicativas

As notas explicativas nada mais são que complementos que fornecem informações para fins de esclarecimento da situação patrimonial do negócio, podendo estar relacionadas a qualquer outra demonstração financeira. Seu principal objetivo é esclarecer dúvidas sobre o patrimônio corporativo, citando fatos, resultados, investimentos ou situações que possam afetar diretamente a empresa, seja de forma positiva ou negativa.

Por fim, se você quer saber como funciona um sistema de contabilidade e como ele pode dar suporte a ações e planejamentos no cotidiano da sua empresa, baixe agora nosso e-book sobre sistema contábil para entender como ele pode ajudar no seu dia a dia!

Related Posts

Por que automatizar sua escrituração fiscal?

Alterdata Software investe em startups de funcionários

Monitoramento de áreas comuns: como fazer em...

Comments

  • Odemilson
    23/05/2017 at 10:34

    Bem resumido produto bem interessante

  • laudenilson
    10/06/2017 at 13:15

    Muito interessate. Gostei.

  • renata
    17/06/2017 at 16:37

    oi gente
    muito interessante esse site, gostaria de dar os parabéns pelo excelente conteúdo.Foi muito útil para mim
    Obrigada 😉

  • Joao neto
    04/11/2017 at 22:38

    Qual o problema para micro empresa em não apresentar o BP e a DRE ?

    • Rodrigo Mendes
      19/12/2017 at 10:59

      Olá João, a Lei Complementar 123/2006 no seu artigo 27 informa que as microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional poderão, opcionalmente, adotar contabilidade simplificada para os registros e controles das operações realizadas, porém no artigo 29 inciso VIII informa que na falta de escrituração do livro-caixa a empresa pode ser excluída do Simples Nacional.

  • Eliana Dreher Ruschel
    08/01/2018 at 12:27

    Boa tarde!

    Tem um modelo específico de DRE para empresa de pequeno porte de calçados ?

Deixe uma resposta