Aprenda em 4 passos a organizar o seu fluxo de caixa

A implementação e o uso correto do fluxo de caixa podem fazer a diferença na sua gestão financeira. Mas será que você conhece como organizar e otimizar o seu fluxo de caixa?

Neste post você vai aprender em 4 passos como organizar o seu fluxo de caixa e aproveitar todos os benefícios desta ferramenta na sua gestão. Confira!

1. Entenda o fluxo de caixa

Para implementar o fluxo de caixa é preciso compreender a ferramenta. Apesar da indicação no nome, o fluxo de caixa deverá contar com os saldos das contas correntes e das aplicações de curto prazo. Isso ocorre porque estes valores ou estão disponíveis ou podem ser facilmente convertidos em dinheiro. Também deverão compor o fluxo de caixa os valores das entradas e saídas de recursos.

As entradas são relacionadas aos recebimentos, geralmente originados das vendas de produtos ou serviços. E as saídas são aqueles valores que a empresa utiliza, em sua maioria, para manter sua atividade, como é o caso dos pagamentos a funcionários, contas diversas, fornecedores, entre outros.

Após comparar os saldos iniciais das disponibilidades com as entradas e saídas, será obtido o fluxo de caixa do período.

2. Determine um período para o seu fluxo de caixa

Agora que você compreendeu que o fluxo de caixa é necessário, para iniciá-lo é necessário que seja definido um período de corte para o começo dos registros, ou seja, uma data em que os saldos iniciais das disponibilidades serão separados e inseridos, de preferência em um bom software de gestão, e comparados com as entradas e saídas.

Após registrar esses valores, toda a movimentação financeira da empresa que passar pelo caixa e equivalentes deverá ser registrada para que você possa conhecer, em tempo real e de forma correta, os valores que sua empresa tem disponíveis e que podem ser utilizados de acordo com suas necessidades. Para isso, não esqueça de registrar a movimentação de forma diária.

3. Acompanhe as receitas e despesas

A criação e utilização de centros de custos para as despesas e de lucros para as receitas, além da categorização destas contas, poderá deixar o seu fluxo de caixa pronto para ser utilizado no processo de tomada de decisão.

A categorização permite saber com o que a empresa está gastando ou ganhando recursos financeiros. Já a divisão entre centro de custo e de lucro permite entender em quais departamentos, linhas de produção ou de produtos as despesas e receitas estão ocorrendo.

Para essa visão mais gerencial, opte por um software de gestão que pode tornar a sua rotina muito mais rápido, fácil e segura.

4. Tenha alguns cuidados

Além do registro diário de seu fluxo de caixa e da observância dos corretos centros de custos e de lucros, procure também ter cuidado em relação às contas a pagar e a receber. Estas só devem ser registradas no momento efetivo de sua saída ou entrada no seu fluxo de caixa.

Esse cuidado também vale para os cheques pré-datados que somente deverão fazer parte da movimentação quando puderem ser descontados em sua conta bancária ou quando saírem dela de forma efetiva.

Nesse post você entendeu o que é o fluxo de caixa e alguns passos que são necessários para sua implementação, desde a definição de uma data de corte, passando pela definição de despesas e receitas, sua categorização e uso de centro de custos e de lucros. Além disso, entendeu alguns cuidados e como o seu fluxo pode beneficiar a sua gestão financeira.

E na sua empresa? Você já utiliza o fluxo de caixa? Deixe o seu comentário!

Related Posts

Inteligência de dados no departamento pessoal: quais...

Previsão orçamentária: qual a sua importância e o...

Alterada resolução que dispõe sobre os prazos para...

Deixe uma resposta