Aluguel de temporada: boas práticas para as imobiliárias lidarem com o assunto

O aluguel de temporada exige da imobiliária uma abordagem diferente. Por geralmente se tratar de finalidade turística, o cliente fecha negócio confiando apenas nas descrições oferecidas pelo site ou por catálogos físicos, sem visitações prévias. Nesse cenário, acredite: a frustração de expectativas pode afundar a imagem da sua administradora.

Além disso, a maior rotatividade exige atenção redobrada no laudo de vistoria, que deve conter detalhes sobre as condições de móveis, eletrodomésticos e acabamentos. Como se não bastasse, o contrato de até 90 dias e a imposição de pagamento parcial antecipado também tornam a gestão dessas unidades mais difícil — isso, claro, caso a imobiliária não tenha o apoio de um sistema especializado.

Diante desse universo peculiar, que tal descobrir desde já algumas das melhores práticas para gerenciar aluguel de temporada e integrar com excelência proprietários de casas e turistas que buscam um bom refúgio nas férias?

Sua imobiliária tem a estrutura necessária para locar imóveis por temporada?

O controle de múltiplos apartamentos e casas de praia ou de campo pode se tornar confuso se o administrador não estiver munido de um fluxo de trabalho eficiente, tecnologia de gestão e muito conhecimento sobre as especificidades desses imóveis.

Para começar, precisamos dizer que o artigo 48 da Lei do inquilinato é muito claro ao considerar como aluguel de temporada apenas as locações realizadas em caráter transitório para lazer, cursos e tratamentos de saúde, desde que o contrato não ultrapasse 90 dias.

Veja bem: a legislação fala em 90 dias e não 3 meses. Controlar as datas de início e fim dessas transações pode virar um verdadeiro caos sem um sistema de gestão para imobiliárias.

Outra questão a ser observada é que, em geral, as casas de praia ficam fechadas por longos períodos. Em virtude disso, é fundamental atualizar no sistema as condições de aparelhos eletrônicos, aquecedores, torneiras, tomadas, descargas e lâmpadas, sob pena de fazer seu cliente alugar uma coisa e encontrar outra ao virar a chave da porta.

A lei também diz, no mesmo artigo 48, que o locador pode exigir pagamento integral ou parcial antecipado, bem como optar pelas garantias tradicionalmente reguladas nos contratos de locação residenciais — caução, fiador ou seguro-fiança. Imagine agora que você tenha 14 imóveis alugados por temporada, cada um com um modelo diferente de garantia. Como controlar tudo isso com perfeição?

O relatório de vistoria de aluguel de temporada deve ser preciso o bastante, contendo descrições e fotografias, no intuito de proteger juridicamente o locador contra quaisquer avarias causadas pelos locatários.

Embora a lei diga que essas unidades possam ser negociadas com ou sem móveis, a maioria delas conta com eletrodomésticos e mobília completa, aumentando bastante o trabalho do responsável por esse relatório. Afinal, qualquer dano posterior (não detectado) enseja responsabilização judicial à imobiliária.

Há, por fim, a grande flutuação de oferta e de preços praticados no mercado, que torna mais difusa a procura de unidades por parte dos responsáveis pela captação e exige maior sensibilidade na negociação com os locadores.

Só por essas observações iniciais, já fica evidente a complexidade do processo do aluguel de temporada, certo? Na qualidade de administrador de imóveis, então, como lidar com todas essas variáveis? Pois algumas modernizações facilitarão esse trabalho.

Como adaptar a imobiliária para gerenciar a locação de temporada com perfeição?

Pesquisando o modus operandi dos mais importantes players do mercado imobiliário, é possível observar algumas ações comuns de adaptação para gerenciar com maior facilidade e eficiência a carteira de aluguel de temporada. Vejamos algumas delas!

Criação de um portal exclusivo de locação por temporada

O seguro-fiança (produto securitizador relativamente recente) e os serviços de consulta cadastral (vendidos por órgãos de proteção ao crédito) fizeram com que qualquer proprietário pudesse alugar um imóvel diretamente, sem a intermediação de uma imobiliária.

Além disso, os aplicativos de aluguel de temporada e de compartilhamento de quartos, por sua vez, deram uma nova dinâmica ao ato de alugar e escolher sua casa de veraneio. Nessas plataformas, imagens apoiadas em tecnologias de realidade virtual e contratos digitais permitem a conclusão de negócios a partir do smartphone. E isso promete ser só o começo!

O mercado consumidor imobiliário vem mudando em consequência dessas transformações. É urgente, portanto, que o setor repense sua forma de fazer negócios, sob pena de extinção de seu modelo tradicional.

Diante desse cenário, uma ação imediata é a diversificação dos canais de receita das imobiliárias, com o desenvolvimento de aplicativos mobile de intermediação que atuam sob cobrança automática de comissões a cada locação.

Com imenso know-how no segmento, por que uma imobiliária não pode concorrer, paralelamente a seus serviços físicos, com marketplaces estrangeiros, bem ao estilo imobiliária virtual?

Adoção de um sistema de gestão imobiliária

A essa altura, você já tem noção do oceano de informações que precisam ser coletadas e gerenciadas por quem quer trabalhar com aluguel de temporada, certo? Como fazer tudo usando planilhas do Excel ou softwares legados, obsoletos e sem integração?

Uma solução para gestão imobiliária calcula automaticamente a comissão dos corretores, emite alertas sobre vencimento iminente de contratos, calcula os juros em caso de atrasos de pagamentos, além de coordenar eletronicamente o difuso fluxo de pagamento em uma locação de veraneio — qual o percentual de adiantamento já realizado, parcelas remanescentes e assim por diante.

Um sistema para gestão imobiliária garante também que a transição entre a reserva e o contrato seja feita de maneira simples e rápida, com importação de dados, emissão de relatórios de inadimplência e mapa de cobrança, centralizando as cobranças no mesmo ambiente.

Aposta nos contratos digitais e na entrega eletrônica de chaves

O contrato de locação de casa de veraneio deve ser rápido e simples, o que não combina com autenticações cartorárias. Você pode então substituir a imensa burocracia dos reconhecimentos de firma por contratos digitais, em que todos os interessados possam concluir o processo simultaneamente, por meio alguns cliques em uma plataforma de assinatura eletrônica/digital.

A entrega de chaves também pode ser mais rápida caso sua imobiliária crie uma espécie de caixa postal eletrônica a ser colocada em cada residência. Com esse dispositivo conectado com os sistemas imobiliários da administradora, a atualização de informações sobre as devoluções das chaves é feita em tempo real, dando mais celeridade ao fluxo de locações.

Mas e sua imobiliária, por acaso já tem uma grande carteira de imóveis para aluguel de temporada? Como você gerencia essa demanda? Deixe um comentário compartilhando suas experiências!

DimobPowered by Rock Convert

Related Posts

Entenda de uma vez como funciona a NFC-e

Teste automatizado com o Test Complete

Pet friendly: como receber bem os animais no meu...

Deixe uma resposta