NOVO! Confira o último episódio do podcast Contabilidade sem neura Ouvir agora
Imóveis

5 passos para garantir a segurança de condomínios

7 Mins de leitura

Vivemos um tempo em que a violência toma conta não apenas dos grandes centros urbanos, mas também das pequenas cidades (que eram consideradas tranquilas e com baixos índices de criminalidade), ameaçando, inclusive, os condomínios fechados.

Para tentar combater essas quadrilhas especializadas, a procura por administradoras profissionais de condomínio cresceu expressivamente nos últimos anos. O motivo é a tecnologia que essas empresas trazem — seja para garantir a segurança de um evento interno isolado, seja para assegurar maior controle sobre entradas e saídas no dia a dia.

Devido a essa realidade, investir na segurança de condomínios tem se tornado fundamental a quem é síndico de prédio ou trabalha com imóveis de forma geral.

Foi pensando nisso que elaboramos este post com dicas fundamentais de especialistas para prover proteção a condomínios.

Continue lendo e descubra quais são as regras mais importantes para ter controle absoluto sobre o trânsito de terceiros durante os dias úteis, ou mesmo garantir a segurança de um evento no final de semana em seu residencial. Confira!

Quais são as diretrizes essenciais para dar mais segurança ao condomínio?

1. Tenha um porteiro qualificado

Apenas entre janeiro e abril de 2018, o índice de furtos e roubos em condomínios cresceu incríveis 56% em todo o estado de São Paulo; em Mato Grosso do Sul, os roubos e furtos a residências cresceram 9% e 12%, respectivamente.

Já no Rio de Janeiro, a elevação desses crimes atingiu a faixa de 70% apenas nos 2 primeiros meses de 2018. Números parecidos podem ser vistos nos dados de outros estados do país, o que impõe atenção, entre outras coisas, à contratação de porteiros.

Muitos condomínios pecam ao contratar qualquer pessoa para a função de porteiro por julgá-la de fácil cumprimento e não exigir muitas qualificações. Isso é um grande erro, pois é o porteiro quem tem o primeiro contato com qualquer pessoa que entra ou sai do condomínio.

O ideal é que o profissional da portaria seja uma pessoa experiente na área da segurança, tendo realizado cursos que garantam seu preparo para agir corretamente em situações adversas.

Por esse motivo, muitos condomínios estão optando por contratar policiais aposentados para vigilância na portaria ou monitoramento no perímetro interno (a fim de garantir a segurança de um evento, por exemplo). A razão é que esses profissionais já trazem consigo larga experiência no setor de segurança, identificando antecipadamente possíveis ocorrências ou agindo com maior rapidez em caso de problemas.

2. Defina regras para os funcionários

Assim como acontece com o porteiro, os demais funcionários de um condomínio também precisam de preparo para lidar com as questões voltadas à segurança.

Desse modo, no momento da contratação e durante toda a trajetória do profissional no condomínio, devem-se definir regras claras de atuação, tais como proibir que sejam divulgados hábitos dos moradores, exigir apresentação de documento de identificação para cadastro na portaria, manter-se sempre dentro da guarita e comunicar-se com os visitantes exclusivamente pelo interfone, por exemplo.

A fim de que os colaboradores compreendam a importância do staff de portaria e segurança para filtrar correspondências, controlar acesso às garagens, monitorar a movimentação de terceiros nos espaços internos ou mesmo garantir a segurança de um evento, sugere-se a realização de ações internas de conscientização e outras modalidades de campanhas.

3. Adquira equipamentos de segurança

É de fundamental importância que os condomínios atuais possuam equipamentos de segurança, como câmeras de vigilância e serviços de monitoramento de alarmes.

Existem residenciais que já oferecem a possibilidade de instalação de rastreadores automotivos vinculados à portaria, a fim de que a segurança já saiba da aproximação de um veículo de morador, identificando-o internamente por dispositivos de reconhecimento facial.

Soluções de Big Data também vêm sendo usadas para cruzar dados de múltiplas câmeras nos arredores dos condomínios, identificando com mais agilidade quaisquer movimentações atípicas.

Com essa tecnologia para condomínios, além de intimidar criminosos, será possível verificar imagens e apontar possíveis culpados se porventura o prédio for vítima de assaltos ou outros atos violentos.

4. Tenha uma boa estrutura física

De nada adianta ter pessoal capacitado e equipamentos de segurança instalados se o condomínio não tiver uma boa estrutura física — aqui estamos nos referindo a portas e janelas reforçadas, fechaduras de qualidade, portões de acesso automatizados, porteiro eletrônico, interfones, cercas eletrificadas e Circuito Fechado de Televisão (CFTV)em todas as dependências do empreendimento — inclusive no alto dos prédios, com câmeras voltadas para o interior e exterior da edificação.

Com o condomínio bem-estruturado e todos esses instrumentos de proteção instalados, as chances de furto, assalto, depredação ou outro tipo de atentado diminuem consideravelmente. Isso, inclusive, torna mais simples a missão de garantir a segurança de um evento que ocorra nas dependências do condomínio.

5. Invista em softwares de gestão

Se o condomínio contar com um software de gestão de qualidade, o síndico ou responsável pelo local terá maior facilidade de organização de todas as atividades que se passam no conjunto habitacional, o que inclui a segurança.

Existem diversos softwares para condomínio no mercado, variando desde opções gratuitas (e um tanto quanto limitadas), até outras pagas e ricas em funcionalidades que contribuem para a gestão em diversos aspectos. Conheça o Alterdata Immobile, serviço para gestão de condomínios, locação e corretagem.

Atenção especial com as festas de moradores: como garantir a segurança de um evento?

As confraternizações e festas de aniversários são especialmente críticas à rotina dos condomínios, pois implicam em um fluxo anormal de estranhos circulando nas áreas internas, além de um volume intenso de visitantes pressionando o trabalho na portaria dentro da mesma faixa de horário.

Essas ocasiões especiais exigem cuidados redobrados. O problema é que se estivermos tratando de um empreendimento de grande porte, tais festividades tendem a ocorrer quase semanalmente. Como então gerenciar esse fluxo sem comprometer a segurança de todos os outros moradores? A questão é tão séria que merece um tópico separado, com dicas especiais que seguem abaixo.

Evoque o conselho de condôminos para alterar o regimento interno

O primeiro ponto recomendado por especialistas nesses casos é criar um conselho de condôminos para discutir o que pode e o que não pode nos dias de festas. Visitantes podem usar a piscina indiscriminadamente, sob o risco de impedir os próprios moradores de terem acesso às suas áreas de lazer?

Entregadores podem adentrar o espaço interno ou todos os locatários e proprietários serão avisados sobre a necessidade de se deslocarem à portaria para recebimento dos pedidos? E quanto aos limites de circulação permitidos? A liberdade de acesso dos visitantes deve se restringir às imediações do salão de festas?

Todas essas questões são complicadas, e chegar ao denominador comum envolve muitas reuniões. Entretanto, essa definição de regras é essencial para garantir a segurança de um evento em seu residencial.

Instale monitores de TV e interfones nos salões de festas

A instalação de monitores de TV e interfones no salão permite que o condômino reconheça os visitantes que estão na porta aguardando para entrar.

Esse procedimento, no entanto, não retira a necessidade de o porteiro anunciar o visitante. Todo o processo de controle e registro de documentos de identificação permanece na portaria. A vantagem aqui é ter mais uma camada de segurança (o reconhecimento do próprio morador, e em tempo real).

Exija antecedência para entrega das listas de convidados à portaria

É importante que seja definida uma data limite para remessa dos dados dos convidados na portaria. Deve ser explicado aos moradores que o objetivo não é burocratizar os processos, mas garantir a segurança de um evento que seja realizado nas dependências do residencial.

Estamos tratando aqui não somente dos nomes, mas também dos números dos documentos de identificação, ou (por que não) até mesmo do envio de cópias. Essas diretrizes deverão ser assinaladas no regimento interno, da seguinte forma, por exemplo:

Art. 1º – Os condôminos deverão enviar a lista de convidados (que participarão de evento previamente agendado no salão de festas) à administradora do condomínio, com antecedência de até 5 dias úteis antes do evento.

§ 1º – Para fins de participação em festas de aniversário ou confraternização no salão de festas, não será permitida a entrada dos convidados que não estejam presentes na lista prevista no caput deste artigo.

Art. 2º – No ato da solicitação da reserva online, deverá o morador especificar horário de início e término do evento, observando os limites contidos no Regulamento Interno do Condomínio.

Art. 3º – É vedado o acesso dos convidados às demais dependências do condomínio, salvo na presença do morador.

Com todo esse aparato normativo em mãos, fica muito mais fácil para a equipe de segurança prover a proteção dos condôminos e o controle absoluto sobre todos os visitantes.

Não economize em tecnologia para monitoramento de terceiros

A tecnologia também deve ser uma aliada. O conselho de condôminos deve, por exemplo, estudar a possibilidade de implementar um sistema de gestão para condomínios, que seja capaz de integrar dados capturados por câmeras de segurança e informações biométricas coletadas na portaria.

Esses sistemas integram também moradores e funcionários, assegurando, por exemplo, que uma lista de visitantes seja enviada com antecedência por meio do software para condomínios. Tudo isso não elimina totalmente os riscos, mas ajuda a garantir a segurança de um evento no edifício.

Uma solução completa para condomínios, aliás, vai muito além da integração de dados de visitantes. Vencimentos, reajustes e controle de pagamentos de cotas condominiais são controlados automaticamente (com recursos, inclusive, de emissão de alertas); ordens de serviço podem ser gerenciadas em tempo real e até os balanços do condomínio são facilitados com esse tipo de instrumento de gestão.

Agora você já sabe como garantir a segurança de um evento ou, de forma mais ampla, como assegurar o controle de acesso no dia a dia do condomínio. Que tal então compartilhar este artigo em suas redes sociais para que mais pessoas tenham acesso a essas informações?

149 Artigos

Sobre o autor
Diretor da Vertical Contábil da Alterdata.
Artigos
Artigos relacionados
eBookImóveis

[E-BOOK] Guia para fazer contabilidade para condomínio

1 Mins de leitura
Saiba como fazer a contabilidade do condomínio! Um dos maiores desafios dos síndicos é a contabilidade dos condomínios residenciais. Mas, apesar de ser…
Imóveis

5 fatos sobre o mercado imobiliário que todo corretor deve saber para vender mais

5 Mins de leitura
O que faz com que um corretor do mercado imobiliário seja campeão de comissões enquanto o outro sofre para se manter na…
Imóveis

Como preparar sua imobiliária para as mudanças constantes do índice IGP-M?

4 Mins de leitura
O índice IGP-M é um dos principais indicadores para a definição de preços no mercado. No setor imobiliário, que apresenta muita variação de…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.